domingo, 23 de agosto de 2015

Retrospectiva - Intercâmbio na California 2015


É muito difícil essa volta de intercâmbio, 6 meses em país de primeiro mundo, conhecendo pessoas de todos os lugares, Itália, Noruega, Áustria, Alemanha, França, China... 
Nesses 6 meses, eu não fiquei apenas na California, parece que eu fui para vários outros países, porque cada amigo que eu fiz tinha uma nacionalidade diferente e me contava sobre como era o país dele, era como se eu tivesse ido para a China, Itália e etc.
Hoje, já de volta no meu país, Brasil, um país de terceiro mundo, não tendo mais como título "intercambista", e nem tendo mais amigos de todas as partes do mundo perto de mim, agora cada um deles está de volta em seus respectivos países.
E é claro, como esquecer, dos americanos, os quais foram minha família, e eu convivia todos os dias, eles me ajudavam, e me ensinavam muitas coisas, faziam com que eu falasse o inglês o máximo que eu puder, e sabiam que eu estava ali para aprender.
Saudades. Saudades das noites que se tornaram manhãs, amigos que se tornaram família e sonhos que se tornaram realidade.
Só quem viveu essa experiência, e quem estava comigo sabe o significado dessa saudade que parece que não passa. Aquela história de "depressão pós intercâmbio" passou a fazer sentido.
Mas, tento me manter firme, e quando bate a tristeza, lembro que apesar de todos os problemas, eu nasci em um país maravilhoso, rico, com muita diversidade, e que me dá muita liberdade para fazer o que eu quiser.
É certo que comparando minha vida daqui e de lá, eu tinha mais liberdade lá, andava de ônibus, metrô, ia para lugares sozinha, e me virava sozinha. Aqui, nada me impede de fazer as mesmas coisas, mas o medo de ser assaltada, o medo de não voltar mais, o medo pela segurança precária que temos em nosso país.
Sim, temos muita liberdade, mais liberdade que os americanos, lá eles tem muitas leis, regras, a polícia está em todos os lugares, o que eles não tem lá é medo. As casas tem muros baixos, as portas estão sempre abertas, os brinquedos das crianças ficam expostos na calçada durante dias, meses, anos, não é costume colocar cerca elétrica, e sistema de segurança, eles não precisam disso.
E é como se uma rua normal fosse um condomínio fechado.
Ao mesmo tempo que TEMOS muita liberdade de expressão, e pudermos fazer o que quiser, falta segurança, falta muita coisa ainda.
Todo o país tem seu problema, seja a segurança, a desigualdade social ou o medo de terroristas, de adolescentes que trazem arma para a escola (lá o porte de armas é legalizado).
Aprendi com o tempo, que não importa onde estivermos, Paris, Milão, Londres ou Nova York, nós temos que estar bem com nós mesmos, com o nosso íntimo, se não estivermos bem com nós mesmos, não estaremos bem em nenhum lugar. E que não importa se eu ficar, 1 mês ou 1 ano em qualquer lugar do mundo, minha casa, minha família, vai estar sempre aqui no Brasil. E que a minha vontade de mudar o mundo, de mudar o país em que vivo vai sempre prevalecer.
Eu gostaria muito de morar em outro lugar, mas mais do que querer morar na California ou em Londres, eu quero mudar o meu país, eu quero fazer a diferença, e quero que o Brasil cresça e se torne um país de primeiro mundo.
Isso pode demorar para acontecer, mas sou otimista e a esperança é a última que morre.
Sinto-me privilegiada de ter tido a chance de ter vivido momentos tão maravilhosos nos Estados Unidos, de ter criado elos fortes, e poder dizer que tenho duas famílias, uma brasileira e outra americana, sinto-me orgulhosa de ter amigos de todos os lugares do mundo, de conseguir ter aprendido o inglês e levado as experiências boas e ruins como lição de vida.
E é muito bom, poder contar para a minha família e amigos as diferenças entre aqui e lá, e o que podemos mudar e o que temos de bom que os americanos podem aderir na vida deles.
Nunca pensei que fosse tão difícil me readaptar a minha vida, a qual eu levava desde que nasci. Nunca pensei que a saudade seria tão grande. Nunca pensei que viveria metade de tudo o que eu vivi lá.
Já fui, já voltei, e estou no Brasil. Como passa rápido. É insano.
Foi tão demorado o processo para eu ir, documento, dinheiro, burocracia e outros. Demorou tanto, que eu nem acredito que eu já fui e já voltei. Foram os 6 meses mais rápidos da minha vida, e tenho a sensação de que foi tudo um sonho e de que nada aconteceu.
Agora vou continuar minha vida aqui, torcendo para que as coisas melhorem, e que o dólar abaixe.
Espero um dia ter outra oportunidade como essa e poder visitar os meus amigos de outros países, e minha família que deixei lá.
Obrigada a todos que leram esse texto, e eu desejo essa experiência a todos, eu recomendo muito, se você tiver a chance, se seus pais concordarem corra atrás, não importa o lugar, a experiência vai ser RICA e INESQUECÍVEL. O meu conselho é "VÁ" "Vá, sem medo, arrisque, tenha a certeza que você não vai se arrepender".

"Viajar é a única coisa que você compra e te deixa mais rico"

Fiz uma retrospectiva, resumi 6 meses em alguns minutos, fazer esse vídeo, foi como uma terapia, foi como um aviso para mim mesma "foi bom enquanto durou, agora entenda, que ACABOU, não se esqueça das pessoas e nem do que aprendeu, mas viva o presente".


quinta-feira, 20 de agosto de 2015

[VAZA] 2 músicas do novo CD da Miley Cyrus


Vazou 2 músicas do novo CD da Miley Cyrus, que ainda não lançou, e segundo a cantora ela está finalizando os últimos detalhes.
Ela declarou também, que quer disponibilizar o álbum gratuitamente na internet, e que o dinheiro arrecadado com o CD físico seria doado para a instituição "Happy Hippie Foundation". A fundação, criada por ela, para ajudar, apoiar a comunidade LGBT's e pessoas sem casa.
As duas músicas que vazaram é "Nightmare" e "Freaky".
Escute:

Qual você acha que vai ser o nome do álbum da cantora?
ATUALIZANDO A POSTAGEM - 13 DE SETEMBRO DE 2015
Durante a premiação VMA, a qual a Miley foi a apresentadora, ela divulgou um novo clipe musical de sua nova música (Dooo It) a qual ela também perfurou ao lado de várias DragQueens. Veja o clipe:

E além disso ela divulgou o novo álbum INTEIRO GRATUITAMENTE para os fãs em seu site, o novo álbum se chama "Miley and her dead petz"
O álbum contém várias músicas que foram descartadas de outros álbuns, ela fez o álbum no estúdio de sua própria casa com a ajuda de alguns amigos produtores, Mike Will e Wayne Coyne. É mais um álbum de músicas que ela fez, porém não são músicas que a indústria musical está a procura. E os fãs ainda estão aguardando o novo álbum da Miley, físico, que será lançado com muitas parcerias musicais, e será o sucessor de Bangerz na indústria, mas enquanto ele não é lançado podemos nos conter escutando as músicas de seu álbum gratuitamente.
http://www.mileycyrus.com



quinta-feira, 13 de agosto de 2015

Vou trocar o nome da página

Não, não é o nome do blog, aliás, eu já troquei o nome do blog uma vez, acho que em 2011, e estou satisfeita com o Garota Etc.
Mas, eu tenho uma página no facebook chamada Frases Inspirativas que eu quero mudar o nome, pois, o certo é INSPIRADORAS. Mas, o facebook nunca me autorizou mudar o nome da página, porque tinha MAIS de 100 curtidas.
PORÉMMMMMM, agora, o facebook mudou as regras do site e qualquer página pode mudar o nome independente das curtidas, e eu quero mudar logo, mas eu estou sem ideias e eu não quero colocar "Frases Inspiradoras". Porque já tem muitas páginas com esse nome, quero algum nome original relacionado a frases, inspiração, positividade, versos, música... Enfim.
Nada que faça com que o nome seja muito diferente e o foco da página se torne outro.
Então, através desse post eu gostaria de pedir sugestões para vocês.
Quem tiver alguma ideia, pode ser nomes em inglês também, eu prefiro em português, mas se o nome for bom e fazer sentido eu vou gostar.
OBRIGADA MESMO GENTE, EU ESPERO QUE ALGUÉM COMENTE, HAHAHAHAHHA. 
Beijossssss...

sábado, 8 de agosto de 2015

O lado obscuro das festas de 15 anos

O que se espera de um blog voltado para o público feminino adolescente, escrito por uma adolescente? Certamente não é o que vamos fazer agora.
Diferente de outros blogs que apoiam a festa tradicional dos 15 anos, nesse iremos expor nossa opinião que é bastante polêmica.


Festa é sempre bom, seja de qualquer idade, qualquer motivo de comemoração é sinônimo de felicidade, ALEGRIA, e é sempre muito bom, poder reunir os seus amigos, e a sua família em uma festa organizada por você, não vejo nada demais em fazer festa de 15 anos, ou de de 16, 17, 18, 19, 20... É mais uma festa normal.
O que não é normal é seguirmos a tradição, e fazer com que a festa de 15 anos torne-se um ritual machista. Sim, toda aquela parte de festa de 15 anos, em que o pai dança com a filha e depois entrega a filha para dançar valsa com o príncipe da festa, e aquela parte de tirar a sapatilha e trocar por um salto alto, e tem algumas festas que as aniversariantes trazem suas bonecas da infância e trocam por outra coisa mais adulta.
Mas, você já se perguntou, de onde surgiu e o motivo dessa tradição e a explicação para todos esses rituais?
As festas de 15 anos surgiram há muito tempo atrás na Europa, em lugares que conhecemos atualmente como, Áustria, Alemanha, França e Inglaterra. Ao longo dos anos, essas festas também tornaram-se tradição e chegaram a países da América Latina. Nos Estados Unidos (América do norte), a comemoração é quando a aniversariante completa 16 anos, já que aos 16, nos EUA, a lei permite que você tire licença para dirigir. Inclusive, muitas das aniversariantes optam por um carro ao invés da festa, e outras ganham a festa e o carro. Tudo depende da sua condição financeira e o seu desejo.

A função do baile de debutante, também tinha como objetivo atrair pretendentes para a aniversariante, e por isso toda a produção (maquiagem, vestido, sapato, cabelo, pele e unhas).

Nos Estados Unidos, eu realmente não sei como funciona as festas de 16 anos e se o princípio é o mesmo que as de 15, que conhecemos aqui na América latina e alguns países da Europa.
Na Europa, as famílias realizavam um grande baile na festa de 15 anos de suas filhas, para a apresentarem a para a sociedade. A festa simbolizava que a filha tornou-se uma mulher e os pais estavam a oferecendo para a sociedade da época. A palavra francesa, début significa começo, início.
A palavra début deu origem a palavra debutante, o qual nomeamos a aniversariante que completa seus 15 anos, e début seria o começo de uma nova vida, a menina que tornou-se mulher.
Antes de fazer essa postagem eu pesquisei muito sobre o verdadeiro significado e origem da festa, para tentar buscar muita informação e não escrever nenhuma besteira.

Confesso que sempre eu que eu pesquisava, a maior parte dos resultados era de sites de salões de festa, lojas de vestido, tudo para promover a empresa para que as meninas comprassem seus vestidos e alugassem os salões de festa, mas nenhum dos sites tinha uma visão critica sobre a festa para alertar as meninas.

Até que achei um comentário em uma página feminista no facebook sobre o caso e achei válido postá-lo aqui.

A questão principal desse post não é deixar você desconfortável em relação a sua festa que você já fez no passado, por falta de conhecimento da verdadeira origem e significado, e nem proibir futura meninas de fazer a festa. Tenho como objetivo, fazer com que vocês leitoras, pensem sobre isso, e pensem sobre como fazemos coisas que começaram no passado e ainda está presente nas nossas vidas, mesmo sabendo que estamos em pleno século 21, no ano de 2015.
Precisamos questionar algumas coisas, e tentar melhorar outras.
Façam sim festa de 15 anos, se é o seu sonho, FAÇA! Mas, precisa mesmo de todos os rituais antigos (machistas)? Coloque um vestido, sinta-se bem consigo mesma, é seu direito, mas não é necessário fazer tudo o que já se faziam há anos e anos. Vamos MUDAR. Comemorar é muito bom, realizar um sonho, melhor ainda. Mas, vamos fazer uma festa que não nos desvalorize como mulher, por mais que a maior parte dos convidados nem saiba a história de uma festa como essa e que estejam ali só para comer HAHAHAHAHAHAHAHA. 
Vamos parar de fazer coisas só porque você cresceu vendo todo mundo fazer, e foi influenciado pela massa, que tal pesquisarmos, e sabermos de onde veio isso, ao invés de fazer só porque viu sua prima/amiga, fazerem e achou legal?
Vou parar de escrever por aqui, me empolguei demais, escrevi demais. É um tema que me interessa muito e gostaria de compartilha-lo com vocês. Espero que tenham gostado, e comentem, se quiserem criticar, se tiverem opiniões contrárias, se concordam ou discordam, todas as opiniões serão bem vindas.